CADÊ A FERRAGEM QUE ESTAVA AQUI?

A utilização de ferragens invisíveis marcou presença durante o maior evento europeu dedicado à decoração e à inovação tecnológica no mundo da cozinha

Além da transformação da cozinha em um ambiente de socialização, outra tendência muito vista durante esta última edição da Eurocucina foi o cuidado estético com a parte interior dos móveis e armários. Acabamentos, revestimentos e ferragens passaram a ser mais valorizados, ganhando uma atenção especial dos projetistas, arquitetos e designers responsáveis pelos ambientes expostos durante a feira. Estes pequenos detalhes garantem o diferencial dessa parte tão importante da casa, proporcionando conforto e sofisticação ao projeto.

Os móveis apresentam muita tecnologia por dentro e por fora. Gavetas que abrem com apenas um toque e que possuem abertura e fechamento silencioso, além de amortecimento integrado foram incorporadas aos projetos, garantindo assim a criação de ambientes mais sofisticados e requintados. As tradicionais corrediças telescópicas, muito utilizadas aqui no Brasil foram substituídas pelos seus modelos invisíveis ou pelos sistemas modulares.

A fim de atender às necessidades desta nova tendência, a Häfele disponibiliza oferece soluções funcionais que, além de agregar valor ao móvel, possuem toda a qualidade e tecnologia alemã e um ótimo custo-benefício.

Sistema Modular Moovit
Este premiado sistema modular para gavetas – duas vezes vencedor do “Best Choice Award”, da Home+Living Magazine e do “Sequoia New Products Award” – abre novas oportunidades de design para cozinhas. Projetado e fabricado pela Häfele, o sistema Moovit está disponível em nove comprimentos e em duas alturas diferentes. Com capacidade para até 50kg e possibilidade de extração total da gaveta, o sistema Moovit possui mecanismo de fechamento suave e deslizamento macio integrado. De fácil e rápida instalação, devido ao seu painel frontal, o qual possibilita o acesso aos parafusos de ajuste pela parte superior do sistema, o Moovit é uma excelente opção para aqueles que buscam praticidade e eficiência, tornando-se facilmente integrado nos processos de produção industrial.

Sistema Modular Moovit

Sistema Modular Moovit

Corrediça Invisível Ampari
Devido ao seu exclusivo sistema de engate rápido, o qual permite sua fácil instalação, a corrediça Ampari é uma excelente opção para aqueles que buscam praticidade e agilidade na montagem de gavetas. Em sua segunda geração, as corrediças invisíveis Ampari estão ainda melhores, devido ao seu novo sistema de amortecimento, que possibilita um fechamento mais suave e silencioso. Fabricadas em aço-galvanizado, as corrediças possuem tamanhos entre 300mm e 500mm, capacidade de carga de até 30kg e permitem a extração total das gavetas. Disponíveis para pronta-entrega, as corrediças invisíveis Ampari são comercializadas em embalagens de 10 pares.

Corrediça Invisível Ampari

Corrediça Invisível Ampari

Corrediça Invisível Vollari
As corrediças invisíveis Vollari são ideais para confecção de gavetas em madeira com comprimento nominal entre 300mm e 550mm. Fabricadas em aço galvanizado, elas possuem duas opções de carga (25kg e 30kg) e possibilidade de extração parcial ou total. Com sistema Silent Soft Closing integrado, as corrediças invisíveis Vollari permitem um fechamento suave e silencioso das gavetas. Certificadas internacionalmente (DIN EN 15338:2007), possuem excelente estabilidade lateral e regulagem de altura, além de serem de fácil montagem e desmontagem. As corrediças invisíveis Vollari são comercializadas em embalagem de 10 pares e estão disponíveis para pronta-entrega.

Corrediça Invisível Vollari

Corrediça Invisível Vollari

Matéria publicada no Blog da Fah Maioli em 05 de Setembro de 2014

 

 

Publicado em Cozinhas, Design, Móveis | Deixar um comentário

QUANDO O SIMPLES É BELO

A cor tem poderes transformadores. Ela é a salvação de um ambiente sem graça mesmo quando a gente não tem muito dinheiro para aquela reforma cara. Ela traz diferentes energias a qualquer casa: a milenar teoria do Feng Shui acredita, por exemplo, que o pink representa doçura, o verde traz harmonia e o amarelo, inspiração.

A designer francesa Caroline Gomez pode até não ter pensado nisso, mas que seu apartamento é uma graça, isto é. Ela vive com o marido e a filha em um edifício dos anos 30 na charmosa cidade de Bordeaux e usou as cores de forma precisa: destaca estrategicamente alguns cantos, cria pequenas surpresas e define áreas menores dentro de ambiente maiores. Tudo apenas com o uso inteligente dos tons. O décor contempla muito branco, tonalidades claras e escolhas cool de móveis e matéria-prima natural. Porque o simples é belo.

Apartamento 1

Apartamento 2

Apartamento 3
Apartamento 4

Apartamento 5

Apartamento 6

Apartamento 7

Apartamento 8

Apartamento 9

Apartamento 10

Apartamento 11

Matéria publicada no Portal Living Design em 16 de Setembro de 2014

 

Publicado em Cores, Decoração, Design | Deixar um comentário

JAPONÊS CRIA LÂMPADA DE MADEIRA

Tradição e tecnologia se unem em forma de luz

A madeira é conhecida no mundo do design de interiores por ter o poder de aquecer qualquer ambiente e torná-lo mais aconchegante. Imagine, então, unir essa habilidade do material natural com a luz emitida por uma elegante luminária. Esse é o efeito causado pela Wooden Light Bulb, uma lâmpada em que a parte tradicionalmente de vidro é feita de pinho, a partir da moldagem, por dias, de cubos centenários do material.

design_luminaria_lightbulb_05A invenção é obra do designer Ryosuke Fukusada. Para criar o bulbo inusitado, o japonês da cidade de Quioto usou uma técnica tradicional e rara de seu país chamada Rokuro. Com a ajuda de Yuki Ayabe, um mestre artesão especialista nessa arte, foi confeccionada uma quantidade limitada de peças únicas, cada uma com apenas 3 milímetros de espessura. Em cada uma delas foi colocada uma lâmpada de LED especial que resulta em uma luminescência singular, como se um objeto de madeira emitisse luz.

“O produto que criamos fica em um espaço entre a tradição da madeira e a tecnologia e durabilidade do LED. Os dois elementos penetram um ao outro, apresentando-se como componentes do futuro”, explica Fukusada. As Wooden Light Bulbs foram produzidas em parceria com a austríaca Ledon, fornecedora premium de lâmpadas de LED, e são vendidas por 2 mil euros cada.

Wooden Light Bulb (Foto: divulgação)

Wooden Light Bulb (Foto: divulgação)

Wooden Light Bulb (Foto: divulgação)
Wooden Light Bulb (Foto: divulgação)
Wooden Light Bulb (Foto: divulgação)

Matéria publicada no Portal Casa Vogue em 18 de Setembro de 2014 por Michell Lott

Publicado em Design, Iluminação, Tendências | Deixar um comentário

5 PROJETOS QUE UTILIZAM DRYWALL

5 projetos que utilizam drywall assinados por membros do CasaPRO

01-projetos-que-utilizam-drywall-assinados-por-membros-do-casapro

No quarto: a cabeceira combina uma estrutura de 10 cm de espessura na porção superior a um painel coberto de laminado melamínico no padrão gris montano (Duratex) embaixo. Como complemento ao visual amadeirado, a parte de cima recebeu um papel com textura de trama de tecido (Detalhes e Decorações). “A solução com drywall, econômica e rápida, trouxe profundidade e aconchego ao quarto”, justifica a designer Ananda Bello, sócia da arquiteta Juliana Yamakawa no escritório paulistano by arq&Design.

02-projetos-que-utilizam-drywall-assinados-por-membros-do-casapro

Entre sala e cozinha: há duas sugestões de emprego do drywall neste apartamento no interior de São Paulo, assinado pela arquiteta Érica Bragion, de Itatiba. A primeira tem efeito decorativo: na parede do passa-pratos, feita de alvenaria, instalaram-se placas simples, com três espessuras diferentes (2, 3,5 e 5 cm) e larguras variadas, para criar um jogo de volumes. A segunda aplicação está no forro, recortado para a instalação de spots e fitas de led.

03-projetos-que-utilizam-drywall-assinados-por-membros-do-casapro

No banheiro: ao reorganizar o layout desta suíte, a arquiteta paulista Rose Ferraresi optou por divisórias de apenas 7 cm de espessura, revestidas de porcelanato. “Com isso, ganhei área tanto no quarto quanto no banheiro e aproveitei para trocar toda a hidráulica e elétrica, criando novos pontos para banheira e TV”, conta Rose. Utilizaram-se as chapas verdes, mais resistentes à umidade, com recheio de lã de rocha para abafar o som da água nos canos. Detalhe: a moradora permaneceu no imóvel durante toda a reforma.

04-projetos-que-utilizam-drywall-assinados-por-membros-do-casapro

Na biblioteca: neste projeto da arquiteta paulista Patrícia Pasquini para a Casa Cor São Paulo 2013, o drywall forma um requadro escuro de 20 cm de largura em torno da estante com nichos laminados, cujo fundo mais claro, de papel de parede cinza (Bobinex), acabou realçado pelo contraste. “A moldura transforma a superfície num grande quadro”, diz Patrícia.

05-projetos-que-utilizam-drywall-assinados-por-membros-do-casapro

No escritório: sem a opção de puxar pontos de luz da laje, a arquiteta Rafaela Lourenço, de Brasília, desenhou um painel em L no home office concebido para a mostra Morar Mais por Menos 2013, na mesma cidade. “Só a moldura emprega drywall”, explica a arquiteta. a estrutura de 10 cm embute lâmpadas fluorescentes, voltadas para o alto e para o chão. No centro, placas de OSB decoradas receberam spots direcionais, compostos de lâmpadas dicroicas de led.

Matéria publicada no Portal Casa.com em  Setembro de 2014 por  Carolina Diniz (visual) e Vera Kovacs (texto)

Publicado em Arquitetura, Construção, Design | Deixar um comentário

4 DICAS INFALÍVEIS PARA VOCÊ PLANEJAR MELHOR O SEU DIA

Executivos como Bill Gates, Mark Zuckerberg, Warren Buffett e tantos outros têm uma coisa em comum com qualquer empreendedor: todos têm um dia com 24 horas de duração. No entanto, nenhum deles usa a falta de tempo como desculpa para não concluir suas tarefas. Tais bilionários, em um determinado momento de suas carreiras, tiveram as mesmas condições que você. A agenda cheia e a falta de pessoal para resolver os problemas de uma empresa acometem todo mundo.

No entanto, Gates, Zuckerberg e Buffett deram conta do recado e hoje têm um saldo bancário cheio de zeros. Qual será o motivo do sucesso dos três? Para Mark Hunter, colunista do site da revista Entrepreneur, os porquês são vários, mas com certeza uma boa gestão do tempo está entre eles.

O especialista afirma que, ao organizar as tarefas do dia a dia e não abrir espaço para distrações, o empreendedor ganha aumentos sensíveis na produtividade. Ou seja, vende mais, gerencia melhor sua equipe e ainda encontra espaço para ficar com a família.

Abaixo, seguem algumas dicas de Hunter para quem quer planejar melhor o dia. E, se tudo der certo, tornar-se um bilionário. Confira:

1. O amanhã começa hoje
Profissionais realmente produtivos nunca terminam o expediente sem planejar o que farão no dia seguinte. Segundo Hunter, ao usar alguns minutos para organizar a agenda das próximas 24 horas, o empreendedor acaba tomando melhores decisões. Além disso, ao deixar o planejamento para depois, é possível que você não planeje nada e acabe usando a manhã para resolver problemas que eventualmente surjam.

2. Reserve um tempo para ficar com quem é produtivo
Ao se juntar a alguém que executa suas tarefas rapidamente, é possível entender o que essas pessoas fazem para trabalhar. Preste atenção no tempo reservado por eles para as redes sociais, e-mails e conversas supérfluas, por exemplo.

3. Deixe uma tarefa fácil para o começo
Ao planejar o cronograma do dia seguinte, reserve o começo do expediente para a resolução de uma tarefa mais simples. Assim, você começa o trabalho com algo a menos para se preocupar e fica motivado para a resolução dos problemas mais difíceis.

4. Use o que aprendeu
Seja pela ajuda de um colega ou ao descobrir “truques de produtividade” enquanto trabalha, faça o possível para usar o que aprendeu. Lembre-se: ninguém se torna um profissional de alta eficiência de uma hora para outra – aperfeiçoe-se dia após dia e você verá os resultados pouco tempo depois.

4

Matéria publicada no Portal Grandes Empresas & Pequenos Negócios em 16 de Setembro de 2014

Publicado em Comportamento, Gestão | Deixar um comentário

NA FALTA DE SOFÁ, A MELHOR OPÇÃO É UMA ALMOFADA

Um difusor de fragrâncias é raramente associado a estilo. Mas com assinatura e tiragem limitada pode virar objeto do desejo, como os tijolos que liberam perfumes no ambiente assinados pelo incensado designer inglês Tom Dixon, que colocou três versões do apetrecho a venda, por preços entre € 30 e € 90, exclusivamente na Maison & Objet (M&O), feira de mobiliário e decoração realizada em Paris, de 5 a 10 de setembro.

Dixon, escolhido como um dos designers do ano na exposição, reservou uma parte do estande à produção e comercialização dos tijolos perfumados. “A ideia não é só invadir Paris com nosso perfume londrino. Mas a fábrica mostra a velocidade com que podemos criar novas ideias e vender atualmente”, disse.

Vender, principalmente. Os acessórios são hoje um importante vetor de negócios na decoração de interiores. “O design entrou nesse setor a partir de grandes peças de mobiliário, todos os designers faziam sofás, cadeiras e coisas assim. Mas com a retração econômica, as pessoas não têm dinheiro para comprar sofás e mesas. Mais e mais os grandes designers trabalham com acessórios, pequenos itens que se pode comprar. É um meio de dar acesso ao design para mais pessoas”, explica Philippe Brocart, diretor-executivo da Safi, promotora do evento.

Trata-se de uma exposição gigantesca, com oito pavilhões temáticos que somam 260 mil metros quadrados e reúnem 3.500 expositores, sendo 60 marcas internacionais. Nesta temporada, 650 empresas apresentaram pela primeira vez suas linhas de produtos. “O show é sobre tudo para casa, então temos tecidos, iluminação, mobiliário, louças, utensílios para cozinha”, explica Brocart.

Os acessórios estão por todo lado – especialmente almofadas, uma profusão de velas e objetos decorativos para todos os gostos, que contemplam até os interessados em ter uma gaiola ornamental que abriga um anão de jardim. Muitos itens têm forte apelo para os amantes do mundo animal. Cachorros, gatos, patos, alces, corujas, galinhas, tartarugas, pinguins, ovelhas e gorilas em várias cores, materiais e padrões. Para colocar na mesa, na parede, no sofá, em estantes, na bancada da cozinha e no jardim.

Objetos decorativos da holandesa &K que faz a linha kitch-moderninha

“É a melhor feira de negócios do mundo”, diz Eric Kramer, da holandesa &K que marcava presença pelo 15º ano no evento e comemorava, já no segundo dia, a venda de 30 mil globos de neve (€ 3,95 a unidade no atacado) para diferentes países. O best-seller de uma coleção kitsch-moderninha, que vai de uma banqueta em forma de cogumelo que tem chapéu vermelho pintado com bolinhas brancas como assento a um verdadeiro zoológico de prateleira, é fruto da parceria de 25 anos com o designer Karkon Klevering.

Entre os prodígios de popularidade reina um buldogue – meio inglês, meio francês – criado pela designer Angeline Bailly para a Téo Jasmin. Muitas vezes cercado por estampas de flores, o bicho aparece de cocar, boina, boné, cartola, chapéu de cowboy em superfícies diversas, de espaldares de cadeiras a roupões de banho, passando, claro, pelas almofadas de apelo fofo.

Teo, o cachorro criado em 2009, é o astro em cerca de 600 itens se computadas a coleção própria e as dos 12 licenciados da marca, hoje disponível em 650 revendedores na França e em 150 pontos no resto da Europa, que responderam por um faturamento de € 5 milhões no ano passado. O bichinho tem propósito: angariar recursos para uma fundação de apoio a crianças que deve ser inaugurada em abril “graças ao Teo”, diz Angeline, que atribui sua inspiração à Providência.

A inspiração também trouxe bons resultados para a Papelaria, uma das duas marcas brasileiras que participaram da M&O. Um picolé em uma tarde de verão foi a base para a criação de um bloquinho de notas com formato do sorvete, embalado em papel vegetal que até transmite uma impressão de geladinho e cheiro de fruta. Os bloquinhos apresentados na edição de janeiro da feira chegaram à Collete, flagship que virou ponto turístico em Paris.

Nessa edição da feira, conta Christian Sampaio, sócio da empresa, foram lançados bloquinhos na forma de comprimidos que vêm em embalagens similares às de remédios. Existem as opções que lembram Viagra, Rivotril, Lexotan e Prozac. “Eu sou meio hipocondríaco”, confessa. Do tipo que não hesita em tomar duas pílulas de calmante antes de enfrentar um check-in no aeroporto. Mas a ideia dos bloquinhos farmacêuticos é que “existem melhores remédios do que as pílulas”. Eles funcionam como placebos. As folhas azuis com formato de Viagra podem ser usadas em um correio elegante. O bloquinho redondo e rosa, que lembra o Lexotan, é a superfície para rabiscos que ajudam a tranquilizar, explica. Da faca de corte ao papel, tudo é original e patenteado. A capa e a contracapa dos blocos são resultado da conjunção de três tipos diferente de papel. “Você não encontra esse material no mercado.”

Difusores de fragrância londrina, com tiragem limitada e numerada, do badalado designer inglês Tom Dixon, com preços de € 30 a € 90

Difusores de fragrância londrina, com tiragem limitada e numerada, do badalado designer inglês Tom Dixon, com preços de € 30 a € 90

Difusores de fragrância londrina, com tiragem limitada e numerada, do badalado designer inglês Tom Dixon, com preços de € 30 a € 90

Não se trata apenas de montar estandes, diz Brocart. “Tentamos entender os mercados, as tendências e dar a chave aos compradores.” A feira tem uma curadoria para selecionar expositores que tragam inovações ou um bom design, explica. E também está preocupada em estimular os jovens talentos.

Em cada temporada seis jovens profissionais são escolhidos para mostrar seu trabalho. “Descobrimos muitos designers talentosos em toda a região asiática. E agora estamos procurando no Brasil e no México, para a feira em Miami”, conta o executivo. “O que é interessante em todos esses países é que há um misto de criatividade no design com o uso de técnicas tradicionais, ou materiais tradicionais, uma pegada muito diferente.” Em novembro, quando vier ao Brasil para divulgar a M&O de Miami, Brocart deve anunciar os talentos brasileiros que também irão à feira.

La Subtile, um coletivo para a produção de móveis de design em escala industrial estava entre os talentos emergentes da temporada. Sua mesa dobrável, que se transforma em banco e também em uma espécie de escrivaninha, estava exposta ao lado da cadeira Piana, desenhada por David Chiperfield para a Alessi, em um espaço dedicado à geometria, com objetos de múltiplos usos e configurações – empilháveis, dobráveis, reversíveis, intercambiáveis, deslizantes. O produto imaginado pelo designer Benjamin Letiariè durante a faculdade demorou um ano para sair do papel e chegar ao estágio de produção. “A alma da marca não é só a criatividade, mas o industrial”, diz. Durante a feira, ele ainda não tinha recebido encomendas para a mesa-banco-escrivaninha, a venda por € 1.300. “Mas tenho bons pressentimentos.”

A jornalista viajou a convite da Maison & Objet

Matéria publicada no jornal  Valor Econômico em 17 de Setembro de 2014 por Celia Rosemblum de Paris

Publicado em Decoração, Design | Deixar um comentário

MÓVEL HÍBRIDO VIRA BANCO E CABIDEIRO

Criado para entrada, peça se inspira na grama

design_cabideiro_tilia_01_1

A grama dobrada pela brisa inspirou a criação do Tilia, um móvel que mistura banco e cabideiro. O design, que lembra um arranjo de galhos secos, foi criado pela polonesa Alicja Prussakowska durante o seu trabalho de conclusão de curso na Academia de Belas Artes Jan Matejko, em Cracóvia.

Na peça, o banco de MDF serve como suporte para quatro sarrafos de pinus com penduradores levemente inclinados, como ramos de plantas. “A principal preocupação do design foi diferenciar a altura dos ganchos, o que melhora o valor funcional do cabideiro – tanto adultos quanto crianças podem usar o produto”, explica Alicja.

A moça criou o móvel para o hall de entrada. Por isso, seus ganchos permitem pendurar casascos, cachecóis, chapéus, bolsas e guarda-chuvas. O banco pode ser usado para sentar enquanto se tira os sapatos, que ficam guardados na parte de baixo da estrutura.

Os cabideiros são organizados na ordem que o usuário preferir. No entanto, as peças não estão soltas. Um arranjo dentro da base garante que as varas estejam fixas e evita que o móvel se transforme em uma enorme confusão de roupas e madeira.

Os sarrafos são feitos à mão. “Detalhes valorizam a beleza e a nobreza da madeira e apresentam o valor do artesanato tradicional”, conta Alicja. “As associações com o ambiente natural e o sentimento de conforto e liberdade de uso distinguem esse cabideiro da mobília produzida em massa”, acrescenta.

Banco e cabideiro Tilia (Foto: Bartłomiej Senkowski/Divulgação)
Banco e cabideiro Tilia (Foto: Bartłomiej Senkowski/Divulgação)

Banco e cabideiro Tilia (Foto: Bartłomiej Senkowski/Divulgação)

Banco e cabideiro Tilia (Foto: Bartłomiej Senkowski/Divulgação)

Matéria publicada no Portal Casa Vogue 16 em Setembro de 2014

Publicado em Design de Produtos, Móveis | Deixar um comentário

BLUEMAX MINI É OPÇÃO SEGURA PARA MARCENARIAS

Recomendada para pequenas fabricantes de móveis, a furadeira de bancada da Hettich tem dimensões compactas

Com apenas 80 cm de largura e pouco mais de 50 cm de altura e de profundidade, a furadeira de bancada BlueMax Mini (BMM) é uma sugestão da Hettich, empresa que faz parte do Grupo Bigfer, para as marcenarias que desejam utilizar o Sistema 32 de montagem.

Segundo a analista de marketing da Bigfer, Sabrina Soares, podem ser trabalhados no Sistema 32 (ver box), quase todos os tipos de ferragens e acessórios para móveis, tais como: dispositivos de montagens, calços para dobradiças, corrediças e sistemas de gavetas, suspensores para portas, suportes para tubos cabideiros de armários, fechos magnéticos, suportes de prateleiras, dispositivos de suspensão de armários, fechaduras com linguetas etc.

 

BlueMax Mini é uma furadeira de bancada compacta

BlueMax Mini é uma furadeira de bancada compacta

Ainda de acordo com Sabrina, a BMM possui diversos dispositivos de segurança, como a chave de acionamento, que possui uma tecla móvel para evitar o acionamento involuntário, um dispositivo interno na chave de acionamento impede que a máquina volte a funcionar sozinha após uma queda de energia e uma capa protetora que evita a entrada da mão durante a operação e que fragmentos sejam lançados contra o usuário.

“É uma furadeira leve, prática e de alta qualidade que oferece precisão na furação ao marceneiro”, afirma. Sabrina também enumera outras vantagens: “Atender mais pedidos com muito mais tempo, ganhar tempo na marcenaria e na casa do cliente, economizar no transporte, montar e desmontar quantas vezes quiser sem estragar as chapas, alinhamento perfeito, melhor acabamento, parafusos não ficam aparentes e não precisa fazer furação de topo”.

Sistema 32

Para trabalhar com esse sistema, devem ser observados alguns princípios:

– diâmetro do furo de 5 mm;
– distância de 37 mm do centro da linha de furos em relação ao topo frontal;
– distância múltipla de 32 entre as linhas de furos e entre os furos.

DIVULGAÇÃO BIGFER

sistema32 150x150 BlueMax Mini é opção segura para marcenarias

 

 

 

Sistema 32

Matéria publicada no Portal  eMobile em 16 de Setembro de 2014

 

Publicado em Marcenaria, Móveis | Deixar um comentário

LAR NO RIO TEM O ACONCHEGO DA MADEIRA

1

A dupla de arquitetos Fábio Bouillet e Rodrigo Jorge, do escritório Artis Design + decidiu apostar em cores sóbrias e ambientes integrados para reformar esse apartamento de 270 m² na Barra da Tijuca, zona Oeste do Rio de Janeiro. A ideia foi proporcionar aconchego e bastante espaço para receber visitas. Os proprietários, um casal e duas filhas, costumam reunir os familiares em casa.

Os tons escuros já começam no living. A parede do fundo foi revestida com um painel criado pelo artista Benoît Gentil que simula tijolinhos cobertos com sobras de reboco. O material foi escolhido pela possibilidade de ajuste de cor. O tom selecionado, um bege escuro, conversa com a estrela do espaço, o sofá Less, de couro envelhecido e base de aço corten, design Flavio Borsato e Maurício Lamosa para a Novo Ambiente.

Assentos e paredes em tons de marrom confirmam a sobriedade da decoração, assim como os painéis de madeira espalhados pela morada. “Entendemos que os ambientes precisam ser um pouco mais escuros para serem confortáveis”, conta Rodrigo. “Projetamos usando essa paleta de cores. É um pouco da nossa assinatura”.

Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)

Para ampliar a área social, os arquitetos decidiram derrubar as paredes de um dos quartos.  Parte do espaço foi incorporado à sala, dando alguns centímetros a mais ao home theater. Com isso, sala de estar, jantar e TV formam um ambiente único — os clientes desejavam que todos os convidados pudessem usufruir destas facilidades durante as reuniões de família.

Para equilibrar o arranjo, os arquitetos usaram as poltronas brancas que pertenciam à decoração do último apartamento dos moradores. Entre as novas aquisições estão peças com ar moderno, como a mesa de centro Butterfly, da Novo Ambiente, no home theater, e as luminárias espelhadas sobre a mesa de jantar, da Lumini. A tela atrás da mesa foi criada pelo gaúcho Herton Roitman.

O projeto de iluminação também evitou que  a casa se tornasse sombria. As lâmpadas são abundantes e potentes e têm temperatura de cor ajustada. Ao invés de serem brancas, lançam uma luz amarelada, mais adequada ao décor.

Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)

O jantar faz divisa com uma sala íntima, onde as filhas podem assistir televisão e jogar videogames. A parede que separava os ambientes foi substituída por uma divisória de réguas de madeira. O arranjo permite aos moradores manter um olho nas filhas mesmo durante as recepções.

A cozinha tem móveis mais discretos, como os armários cobertos por vidros  pretos refletivos e a mesa sobre cavelete. As consagradas cadeiras Bertoia Side Chairs dão um toque de elegância industrial.

Na suíte master, o piso de guajuvira permite colocar os pés no chão com conforto ao acordar. O ambiente tem um banheiro para cada cônjuge e closet com portas deslizantes de espelho. Um armário com iluminação oculta guarda objetos queridos pelo casal, como a estátua de Nossa Senhora, santa da qual o marido é devoto. O clima de conforto fica mais forte graças ao papel de parede texturizado da Orlean, iluminado com efeito de banho de luz.

Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)
Apartamento sóbrio (Foto: Divulgação)

Matéria publicada no Portal Casa Vogue em 14 de Setembro de 2014 por Nilbberth Silva

Publicado em Arquitetura, Design de Interiores | Deixar um comentário

PRÉDIOS SE ESPREMEM SEM PERDER O ESTILO EM SÃO PAULO

Os terrenos estreitos e irregulares viraram um nicho de mercado em São Paulo.

Em um cenário de terrenos cada vez mais caros e escassos, sobretudo em regiões valorizadas, um grupo de construtoras têm abraçado geometrias longilíneas.

Área estreita impõe restrições e reduz escala para construtor

‘Com terrenos caros, é preciso empilhar diferente funções’, diz arquiteto

Em geral, são empresas de médio porte que se propõem a criar projetos mais exclusivos e arrojados, associados a escritórios de arquitetura com essa proposta.

São prédios com frente de 10 metros a 15 metros (o equivalente a três carros Palio estacionados em fila) em bairros com baixa oferta de terrenos e desejados para moradia, como Pinheiros, Vila Madalena, Perdizes, Pompeia, Itaim Bibi, na zona oeste, e Higienópolis e Consolação, na central.

“Como os terrenos em São Paulo são escassos, a gente consegue estar melhor localizado que os grandes incorporadores por não termos uma fórmula de repetição”, diz Luiz Felipe Carvalho, sócio da Idea!Zarvos, conhecida por projetos tão ousados quanto estreitos, como o Itacolomi 445 .

O público-alvo são pessoas que valorizam projetos arquitetônicos inovadores e dispor de boa infraestrutura. Para isso, topam pagar até 20% mais.

É o caso da gerente de projetos Thais Pugliese, que comprou um dúplex no Unitt Pinheiros, da construtora SKR, com projeto da Adesa e de José Ricardo Basiches. Ela diz ter pago R$ 9.000 o metro quadrado, contra R$ 7.500 da média da região, mas avalia que a valorização será maior.

“Tudo nele é diferente. É um projeto racional, com área comum compatível a quem trabalha muito”, diz.

1

ÁREA COMUM

Ainda que os apartamentos não sejam necessariamente pequenos (uma unidade pode ocupar um andar inteiro), as áreas comuns costumam ser enxutas –no próprio térreo ou na torre.

“O morador se sente mais em casa. Não fica diluído no meio de uma multidão”, diz Eudoxios Anastassiadis, da construtora Alfa Realty.

O escritório de arquitetura Triptyque vê as áreas estreitas e irregulares como uma tendência para “projetos especiais”, à medida que “as pessoas estão cansadas de megaprédios, sem identidade”.

Com projetos desse perfil no portfólio, a empresa franco-brasileira criou a IV Incorporadora, que fará o AIR Madalena, com 10 m de frente e 368 m² de área total do terreno –um empreendimento mais convencional costuma ter em torno de mil m².

“É a volta do ‘predinho de bairro’, que se deixou de construir nos últimos 20 anos”, diz Eduardo Andrade de Carvalho, da Moby Incorporadora.

Thais Pugliese comprou um dúplex no edifício projetado pelo arquiteto José Ricardo Basiches na zona oeste de São Paulo

Thais Pugliese comprou um dúplex no edifício projetado pelo arquiteto José Ricardo Basiches na zona oeste de São Paulo

Matéria publicada no jornal Folha de São Paulo em 14 de Setembro de 2014

Publicado em Cidades, Design, Tendências | Deixar um comentário