English Version

OSB EM ALTA

13/06/2016

Nem só em tapumes de obras vive a chapa de madeira mais barata da construção. Tingida ou na versão crua, ela cumpre funções estruturais e de revestimento em casas e apês. Confira seis projetos que souberam aproveitar o melhor do material

Da sigla em inglês vem a explicação: Oriented Strand Board pode ser traduzido como placas de partículas orientadas. Na prática, o OSB é um amontoado de lâminas dispostas em três camadas de direções alternadas – e é justamente essa mudança na disposição das lascas que confere estabilidade e resistência à chapa. Criado nos Estados Unidos nos anos 70, o material é relativamente novo no Brasil. Por aqui, a primeira (e ainda única) fábrica começou a produzi-lo apenas no começo dos anos 2000, e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ainda não formulou regras exclusivas para ele – os ensaios existentes fazem referência a sistemas de construção seca, dos quais o OSB é um integrante fundamental ao agir como fechamento de paredes.

Nos últimos tempos, as folhas têm sido mantidas à mostra em projetos de arquitetura que tiram partido da facilidade no manejo e do preço camarada. Se aproveitar a aparência rústica do recurso está em seus planos, a linha Home Plus Estrutural é adequada a intervenções que exijam resistência, ao passo em que a Induplac, mais clara, tem perfil decorativo, ideal para uso como revestimento. Ambas pertencem à LP Brasil.

Quanto custa? de R$ 30 a R$ 150
São muitas as variáveis: do tamanho e espessura das chapas até a resistência da linha do produto em questão. Ainda assim, o OSB costuma ser pelo menos 60% mais barato que um MDF com acabamento de laminado decorativo com características equivalentes.

Matéria publicada pela jornalista: Lara Muniz da, Arquitetura e Construção em março de 2016

1° FOTO. CASA EXPRESS - O coletivo Creativo Vimob, da Colômbia, desenhou quatro modelos de casa pré-fabricadas que podem ser despachadas para qualquer local do país e montadas com poucas ferramentas. O valor reduzido é premissa fundamental do negócio – motivo pelo qual o OSB estrutural compõe as paredes. Por fora, um laminado impermeável protege a construção.

2° FOTO. DE QUINA - O preço acessível do OSB pesou na escolha, mas o mais importante foi sua aparência inusitada. “Queríamos usar de um jeito criativo aquele material marcado pela presença em tapumes”, lembra a arquiteta Luciana Simões, da 2L Arquitetura e Interiores, de São Paulo. Para revestir a área de serviço, bastou parafusar as chapas à alvenaria.

3° FOTO. À BEIRA-MAR - Localizada numa região litorânea, esta casa reformada em Edimburgo, na Escócia, aproveitou a resistência das placas para driblar a ação da maresia. O trabalho leva a assinatura do escritório WT Architecture. O OSB reveste a área social e, para atender a legislação local, também recebeu tratamento com um antichamas.

4° FOTO. LÁ EM CIMA - Nesta casa paulistana, a elegante estrutura do telhado criou um plano curvo. Ao olhar para o alto, no entanto, há mais para ver. “O OSB que aparece no forro também compõe a base da cobertura de manta termoplástica”, explica o arquiteto Gui Paoliello. A sustentabilidade foi o que chamou sua atenção para o produto: Não há desperdício durante a fabricação”.

5° FOTO. VERSÃO DARK - Ao planejar a reforma desta casa na cidade portuguesa de Monte Real, a arquiteta Inês Brandão decidiu criar um volume para concentrar as novas estruturas e, ao mesmo tempo, agir como um móvel no meio da sala. “O OSB me pareceu perfeito para isso. mesmo pintado, ele preserva a textura da madeira”, conta ela. A pintura usou tinta esmalte sintética.

6° FOTO. ALTO NÍVEL - Vem de Kiev, Ucrânia, a ideia de usar o OSB estrutural na criação de um patamar elevado dentro deste apartamento. O arquiteto Alex Bykov planejou o canto com a intenção de obter mais espaço de armazenamento para um jovem casal que abriu mão da lua de mel a fim de investir na reforma. Assim como no Brasil, lá o material é de baixo custo.